Canal VE

20 de julho de 2024

BloombergNEF: Brasil venderá cinco vezes mais VEs até 2027

Veículo elétrico azul sendo recarregado

Além do crescimento no Brasil, as vendas mundiais de veículos elétricos devem exceder 30 milhões em 2027 e atingir 73 milhões por ano em 2040. Foto: Envato/Elements

As vendas de veículos elétricos continuarão quebrando recordes em todo o mundo, mesmo com a desaceleração de mercados como Estados Unidos e Europa. Isso é o que afirma o Relatório Long-Term Electric Vehicle Outlook (EVO) 2024, realizado pela BloombergNEF. De acordo com o estudo, as vendas mundiais de veículos elétricos de passageiros devem exceder 30 milhões em 2027 e atingir 73 milhões por ano em 2040.

O documento revela ainda que mercados emergentes, como Brasil, Tailândia e Índia garantirão bons resultados do setor. Só no Brasil, por exemplo, o relatório informa que as vendas de carros elétricos serão cinco vezes maiores até 2027.

Segundo o relatório, a rápida queda nos preços das baterias, os avanços na tecnologia de baterias de última geração e a melhora da economia relativa dos veículos elétricos em comparação aos veículos de combustão interna, continuam a sustentar o crescimento mundial de VEs no longo prazo.

Novos mercados expoentes

Nos EUA, a falta de modelos de baixo custo e o nervosismo do mercado pelas próximas eleições presidenciais ajudaram a desacelerar as vendas neste ano. Na Europa, as metas de consumo de combustível, que se tornarão mais rigorosas apenas em 2025, aliviaram as montadoras da pressão para aumentar significativamente as vendas de modelos elétricos.

Mas, de acordo com a BloombergNEF, os veículos elétricos não são mais apenas um fenômeno de países ricos. Países emergentes economicamente, como a Tailândia, a Índia e o Brasil estão registrando recordes de vendas, à medida que modelos elétricos de baixo custo são lançados. As vendas de carros elétricos no Brasil quintuplicarão até 2027 e triplicarão na Índia.

Por outro lado, a China, líder mundial em vendas de VEs, deve manter sua liderança como o maior mercado do mundo, apesar dos primeiros sinais de saturação de alguns segmentos e de uma perspectiva econômica mais rígida, tanto interna quanto externa. Isso porque o país asiático vem enfrentando forte resistência dos EUA e da União Europeia. Entretanto, essa resistência de alguns mercados pode impulsionar tanto o mercado interno chinês, quanto mercados emergentes, como os citados acima.

Gráfico demonstrativo de vendas de VEs
Gráfico aponta o crescimento nas vendas de veículos elétricos até 2040. Foto: Divulgação/BloombergNEF

Veículos pesados e uma realidade inicial

No segmento de veículos pesados, os caminhões elétricos a bateria são mais utilizados em trajetos urbanos. Mas seu desempenho tende a melhorar em rotas de longa distância, com a evolução das baterias e de tecnologias para melhorar a eficiência desses modelos. Por volta de 2030, os caminhões elétricos deverão se aproximar do desempenho dos motores a diesel.

A descarbonização do setor de veículos comerciais (vans, caminhões e ônibus) já começou e deve acelerar ano após ano. Com a valorização de todos os segmentos, o valor acumulado das vendas de VEs pode atingir US$ 9 trilhões (cerca de R$ 48,9 trilhões) até 2030 e US$ 63 trilhões (aproximadamente R$ 342,5 trilhões) até 2050.

“Os fabricantes de caminhões estão prestes a passar por uma rápida transformação tecnológica em função de metas ambientais rigorosas na Europa e nos EUA. A rapidez desta mudança será inédita para o setor, mas o cumprimento de um cenário alinhado com o Acordo de Paris requer uma produção ainda mais rápida de veículos zero emissões“, disse Nikolas Soulpoulos, head de transporte comercial da BNEF.

Infraestrutura de recarga e energia elétrica

Segundo o relatório da BloombergNEF, para atender à crescente demanda por infraestrutura de recarga para os veículos elétricos, o setor precisará se expandir rapidamente nas próximas décadas. 

Até 2050, serão necessários entre US$ 1,6 trilhão (cerca de R$ 8,7 trilhões) e US$ 2,5 trilhões (aproximadamente R$ 13,6 trilhões) em investimentos cumulativos em infraestrutura de recarga, instalação e manutenção.

Um ponto de preocupação fica por conta do consumo de energia elétrica. Segundo o estudo, até 2050, no Cenário Net Zero, serão necessários cerca de 8,31 TWh de eletricidade para alimentar uma frota de veículos totalmente elétricos. Em via de comparação, isso é o dobro da quantidade de eletricidade consumida nos EUA em 2023.

Ler o Anterior

Rede Graal amplia estações de recarga em rodovias de SP

Ler o Próximo

São Caetano do Sul adota ônibus elétrico no transporte municipal

Deixar uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Popular