Canal VE

24 de abril de 2024

Nordeste é ponto estratégico para produção de H2V, diz CCEE

Cilindro de gás em sítio industrial contém os dizeres "Hidrogênio Verde" em sua parede

Nordeste brasileiro tem potencial para assumir protagonismo na produção de hidrogênio verde. Foto: Reprodução.

Com bons ventos e abundância de sol, a região Nordeste do Brasil é uma localidade estratégica para que o Brasil venha a atingir a neutralidade carbono e desponte como um dos principais players do mercado de hidrogênio verde (H2V)

O hidrogênio (H2) pode ser usado como fonte de energia de veículos elétricos movidos a células de combustível, chamados de FCEV (Fuel Cell Electric Vehicle). Se for produzido a partir de energia limpa, é considerado hidrogênio verde.

Somente em janeiro deste ano, a região brasileira produziu mais de 9.200 MW médios de energia solar e eólica, segundo informações da CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica).

Trata-se de um montante que, segundo o órgão, reforça o potencial que a localidade possui para se transformar em um hub de desenvolvimento da fonte, que não gera emissões de carbono e que tem potencial de geração a partir de eólicas em terra (onshore), no mar (offshore) e de plantas fotovoltaicas (energia solar).

Atualmente, vários estados do Nordeste já estão chamando a atenção do mundo por causa de seus projetos, como o Ceará – com a criação de um hub do hidrogênio verde – e a Bahia, que está investindo mais de US$ 1,5 bilhão no desenvolvimento de um projeto em escala industrial. 

 

Carros movidos a hidrogênio

Os veículos do tipo FCEV (Fuel Cell Electric Vehicle) utilizam o hidrogênio (H2) como fonte de energia. A eletricidade é gerada a partir de uma reação química do hidrogênio líquido pressurizado com o oxigênio (O2) para alimentar o motor.

Diferentemente dos demais modelos eletrificados, o FCEV pode ter um conjunto mais leve de baterias, e a recarga se assemelha à dos carros a combustão: o combustível fica armazenado em um tanque, que pode ser reabastecido em poucos minutos em postos de serviços.

Esse tipo de carro elétrico ainda está entrando no mercado. Um exemplo é o Toyota Mirai.  Por enquanto, está disponível apenas nos Estados Unidos. 

Toyota Mirai é um carro do tipo sedã
Toyota Mirai é vendido nos Estados Unidos. Foto: Divulgação/Toyota.

 

Hidrogênio verde no Brasil

O hidrogênio verde é uma fonte de energia que pode ser usada em processos industriais e atividades dependentes de combustíveis fósseis. Atualmente, diversos países, como Estados Unidos e Japão, já sinalizam para o mundo que estão dispostos a pagar um preço pela fonte. 

Neste sentido, associações e entidades ligadas ao setor de renováveis, destacam que o H2V apresenta para o Brasil uma versatilidade importante no contexto da transição energética, uma vez que pode ser utilizado como fonte de baixo carbono em setores de difícil descarbonização ou como vetor para o armazenamento de energia e exportação. 

Recentemente, um levantamento realizado pela McKinsey & Company avaliou que o Brasil tem totais condições de atingir um patamar destaque no mercado internacional, sobretudo como exportador. 

As projeções da companhia mostram que o país tem condições de produzir e exportar cerca de 3,8 milhões de toneladas de hidrogênio verde até o final de 2040, garantindo assim mais de R$ 6 bilhões com venda da tecnologia.

Ler o Anterior

Aperte os cintos: carro voador vai mudar a história das corridas

Ler o Próximo

Em recuperação, Americanas terá 100 carros elétricos na frota

Deixar uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Popular