Canal VE

14 de junho de 2024

BorgWarner anuncia fábrica de baterias para VEs em São Paulo

fábrica da borgwarner com várias placas em azul mostrando os setores

O início das operações da BorgWarner devem começar em 2023. Foto: Divulgação/BorgWaeer.

O aumento do interesse nos carros elétricos está chamando a atenção das grandes empresas. Um exemplo disso é a multinacional BorgWarner, que anunciou uma nova unidade de produção de baterias para carros elétricos em Piracicaba, interior de São Paulo.

Presente em 22 países, e no Brasil há 50 anos, a empresa adquiriu recentemente a Akasol, uma fabricante de baterias para eletrificados alemã.

“Estamos entusiasmados com a demanda e o potencial de mercado para esses produtos e a oportunidade de oferecer aos nossos clientes um portfólio flexível e de alta qualidade de soluções eletrificadas”, disse Henk Vanthournout, vice-presidente e gerente geral de sistemas globais de baterias da BorgWarner. “Esta instalação produzirá componentes de veículos elétricos inovadores, globais e de ponta”, completou.

Leia mais

Mais detalhes

A expansão faz parte do projeto Charging Forward, que possui dentro de suas metas atingir 45% do fornecimento global de peças para veículos elétricos até 2030, de acordo com Marcelo Rezende, diretor para sistemas de baterias da BorgWarner no Brasil.

Rezende afirmou, em 25 de novembro de 2022, que o objetivo era conseguir US$ 2,5 bilhões até 2025. Porém a empresa ultrapassou essa meta já em 2021, com US$ 2,9 bilhões.

De acordo com a empresa, essa nova unidade produzirá o sistema de bateria de ultra-alta energia (UHE) AKASystem AKM CYC.

A expectativa é que a capacidade inicial da fábrica seja de 400 MW, suficiente para alimentar 4.000 pacotes de bateria de 98 kWh.

“Cada ônibus recebe, em média, quatro packs de baterias, o que significa atender em torno de 1 mil veículos por ano”, explicou o diretor.

O início das operações e montagem dos sistemas de baterias está previsto para o primeiro trimestre de 2023.

Ler o Anterior

‘Futuro da mobilidade é eclético, não necessariamente elétrico’, diz especialista

Ler o Próximo

Brasil pode quadruplicar pontos de recarga até 2025, diz estudo

Deixar uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Popular