Canal VE

18 de maio de 2024

Tecnologia da Fórmula E está presente nas ruas, diz executivo

Alberto Longo é um homem de meia idade que usa barba

Alberto Longo é co-fundador e chefe de competições da Fórmula E. Foto: Rubens Morelli.

Um dos propósitos da Fórmula E é apresentar ao grande público novas tecnologias que podem ser utilizadas em carros comerciais. Funciona como um grande laboratório, a céu aberto e ao redor do mundo, mostrando a eletromobilidade em alta performance.

Quem assistir ao São Paulo E-Prix neste sábado, 25 de março de 2023, às 14h, presencialmente no Sambódromo do Anhembi, ou pela TV, verá os carros elétricos mais rápidos, mais potentes e mais eficientes já construídos em ação. 

Em entrevista exclusiva ao Canal VE, Alberto Longo, co-fundador e chefe de competições da Fórmula E, disse que a presença da categoria no Brasil vai ajudar a impulsionar a eletromobilidade no país.

“A realidade é que a mobilidade elétrica está crescendo muito nesse país, e a Fórmula E é uma plataforma que pode ajudar a aumentar esse interesse do público brasileiro. No uso diário de um carro do ponto A ao ponto B, é muito importante que as pessoas tenham consciência de que o uso de um veículo elétrico é bom para o meio ambiente, bom para as mudanças climáticas e provavelmente a melhor ferramenta que temos na humanidade para lutar contra esse problema (aquecimento global), que é uma grande calamidade”, afirmou.

 

Desenvolvimento constante

Desde a temporada inaugural, em 2014, a categoria ofereceu soluções que estão presentes nos carros comerciais atuais. Um exemplo é a capacidade das baterias. O desenvolvimento das baterias na Fórmula E é crucial para que os carros elétricos atuais possam ter mais autonomia.

“Nós estamos vivendo a transferência da tecnologia desenvolvida na Fórmula E para os carros comerciais. Carros como o Nissan Leaf ou o Jaguar Type, por exemplo, são carros que utilizam o software, alguns componentes tanto da unidade de potência do motor como da bateria, são utilizados nesses carros, que conseguem ser mais eficientes. Aliado a isso está o mesmo trabalho duro na fábrica, então eles podem ter uma maior autonomia”, explica Longo.

“No caso, por exemplo, do Nissan Leaf, os carros são 300% mais eficientes desde que a Nissan entrou na Fórmula E desenvolvendo essa tecnologia para colocar nos carros comerciais”, completa.

Para Florian Modlinger, diretor técnico da equipe Porsche, atual líder do campeonato, o desenvolvimento dos carros da Fórmula E vem surpreendendo ano após ano.

“Se você levar em consideração que a Fórmula E tem apenas 9 anos de existência, somos uma série jovem, mas já estamos na terceira geração de carros. Nós atualizamos os tipos de pneus, aumentamos a potência dos motores, ampliamos o tamanho e a eficiência das baterias. Hoje temos um carro que chega a 600 kW de potência. Então, estamos construindo um legado para o futuro”, afirma.

Ler o Anterior

Volkswagen confirma lançamento do ID. 4 no Brasil ainda em 2023

Ler o Próximo

Saiba como os carros elétricos da Fórmula E são recarregados

Deixar uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Popular