Canal VE

18 de maio de 2024

Stellantis e VW apoiam projeto de R$ 5 bi em mineração no Brasil

Imagem aérea mostra mineração em montanha rochosa

Área de mineração de níquel na Fazenda Santa Rita, em Itagibá (BA). Foto: Reprodução.

A Stellantis, a Volkswagen e a mineradora global Glencore estão apoiando a financeira ACG em um projeto de US$ 1 bilhão (aproximadamente R$ 4,9 bilhões) para a aquisição de duas áreas de mineração no Brasil, para acelerar a produção de baterias de veículos elétricos. A informação é da agência de notícias Reuters.

As minas específicas em questão são as minas de sulfeto de níquel de Santa Rita, localizada em Itagibá (BA), e de cobre de Serrote, em Craíbas (AL). Com as aquisições, a ACG, empresa com sede em Londres, na Inglaterra, vai se tornar ACG Electric Metals e poderá emitir novos papéis. 

O acordo ocorre em meio a uma onda de fusões e aquisições na mineração, estimulada em parte por investidores que apostam no aumento da demanda por metais necessários para a transição global de energia verde nos próximos anos, especificamente para a produção de baterias de veículos elétricos.

O acordo estabelecerá a ACG Electric Metals como fornecedora principal de metais críticos para a cadeia de valor do veículos elétricos no ocidente, segundo as informações da Reuters.

Imagem mostra sulfeto de níquel, que se assemelha a pó na cor azul dentro de um saco branco
Sulfeto de níquel pode ser utilizado na produção de baterias de veículos elétricos. Foto: Reprodução.

Investimento na matéria-prima

Para iniciar a transação, a PowerCo, unidade de baterias subsidiária da Volkswagen, fará um adiantamento de US$ 100 milhões (cerca de R$ 490 milhões) por sulfeto de níquel, enquanto Stellantis, Glencore e um fundo de investimento em mineração contribuirão com quantias igualmente grandes.

Após a compra da matéria-prima, o concentrado de níquel será refinado nas instalações da Glencore na Europa Ocidental e América do Norte, com o produto final incorporado às baterias EV da Stellantis, PowerCo e de outros fabricantes.

“Ao longo do processo, a ACG se tornará ACG Electric Metals e emitirá novas ações, tornando a Glencore, a Stellantis e a empresa de investimentos em mineração La Mancha proprietárias da maioria de 51% e deixando 49% em aberto”, disse Artem Volynets, executivo-chefe da ACG à Reuters. Stellantis e La Mancha terão o direito de indicar um diretor cada para o Conselho da ACG.

Imagem aérea mostra sítio de mineração, com pessoas e caminhões
Área de mineração de cobre de Serrote, em Craíbas (AL) também faz parte do projeto. Foto: Reprodução.

Participação brasileira no mercado

A notícia da possível aquisição das áreas de mineração na Bahia e em Alagoas coloca novamente o Brasil em evidência na América Latina quando se trata da cadeia de matérias-primas para a produção de baterias de veículos elétricos.

Em maio de 2023, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, havia lançado mundialmente o projeto do Vale do Lítio na Nasdaq. A empresa canadense de extração de lítio Sigma Lithium já está instalada no Vale do Jequitinhonha (MG), com produção ativa do mineral.

Ler o Anterior

Carro elétrico ajuda empresa a deixar de emitir 6 ton de CO2

Ler o Próximo

Volvo inicia testes de caminhões pesados 100% elétricos no Brasil

Deixar uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Popular