Canal VE

24 de abril de 2024

Raízen abastece avião da Azul com caminhão elétrico da VWCO

Caminhão elétrico está ao lado de avião na pista do aeroporto

Caminhão elétrico E-Delivery, da Volkswagen, passa a ser usado para o abastecimento de aeronaves no aeroporto de Guarulhos. Foto: Rubens Morelli/Canal VE.

Uma parceria entre a Raízen, empresa integrada de energia licenciada da Shell, e a Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) vai ajudar a descarbonizar as operações em solo do Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP), com a utilização de um caminhão 100% elétrico para o abastecimento de aeronaves

O E-Delivery, primeiro caminhão elétrico desenvolvido e produzido no Brasil, na fábrica da VWCO em Resende (RJ), será responsável por retirar o combustível dos dutos que passam por baixo da pista do aeroporto e garantir o abastecimento das aeronaves. 

O caminhão é carregado em uma estação de recarga rápida Shell Recharge, com potência de 60 kW, instalada na área de operações do aeroporto. A recarga completa do veículo acontece em pouco menos de uma hora, com energia limpa e 100% renovável fornecida pela Raízen, com certificação internacional de procedência.

O avião que inaugurou a operação de reabastecimento com o caminhão elétrico, em 20 de junho de 2023, foi um Embraer 195 da companhia Azul Linhas Aéreas. Depois, seguiu viagem para o Aeroporto Internacional de Confins, em Belo Horizonte (MG). 

Imagem mostra estação de recarga Shell Recharge
Estação de recarga Shell Recharge foi instalado na área de operações do aeroporto de Guarulhos. Foto: Rubens Morelli/Canal VE.

Testes em andamento

Embora a operação com o caminhão elétrico tenha sido apresentada oficialmente agora, a Raízen e a VWCO vêm trabalhando em conjunto há cerca de seis meses na adequação do projeto, para garantir a melhor eficiência e a máxima segurança nos procedimentos. 

“Estamos muito felizes em iniciar a conversão de nossa frota nos aeroportos e poder contar com um modelo de caminhão elétrico com alto nível de segurança. Esse é um projeto piloto que, a depender dos resultados obtidos aqui, poderá ser replicado em outros aeroportos do Brasil”, disse Juliano Tamaso, vice-presidente de Supply Chain da Raízen, citando que a empresa tem operações em 70 terminais aeroportuários, com cerca de 4 mil caminhões disponíveis.

“A aviação não é fácil de descarbonizar, nós temos barreiras técnicas a superar. Mas imagina o potencial que você tem se puder eletrificar parte dessa frota de caminhões dos aeroportos. Esse é um primeiro passo”, completou Tamaso.

Pessoas vestidas com coletes posam para foto em frente a caminhão e avião
Executivos de Raízen, VWCO e Azul posam para foto durante abastecimento de aeronave com caminhão elétrico. Foto: Rubens Morelli/Canal VE.

Experiência na pista

O Canal VE acompanhou in loco o primeiro abastecimento com o caminhão 100% elétrico em Guarulhos. Com a aeronave em solo, o caminhão servidor, como é chamado, pode fazer a aproximação e o isolamento da área. Os funcionários, devidamente trajados com equipamentos de proteção individuais, conectam as mangueiras nos dutos de combustíveis posicionados no subsolo da pista. O combustível, então, passa pelos aparelhos montados pela Rucker sobre o chassi do E-Delivery, que adequam a pressão para o correto abastecimento da aeronave.

“O E-Delivery é um veículo sob medida, com baixo impacto ambiental, emissão zero de poluentes e baixo custo de manutenção. Com produção nacional, a Volkswagen Caminhões e Ônibus desenvolveu caminhões que se adaptam facilmente às demandas internas, com diversas opções de operações e aplicações”, afirma Thiago Supplizi, gestor comercial da VWCO. 

O veículo é equipado com o motor elétrico de 300 kW, equivalente a 408 cv, e 2.150 Nm de torque disponível, e pode ser montado com três packs de bateria, que fornecem até 110 km de autonomia, ou 6 packs de baterias, para um alcance máximo de 250 km. Para a operação no aeroporto, o modelo escolhido foi o de três packs, de acordo com Supplizi.

Caminhão elétrico ao lado de avião na pista do aeroporto de Guarulhos
Caminhão elétrico E-Delivery, da VWCO, pode se adaptar a diversas situações de uso. Foto: Divulgação/Raízen.

Aéreas também buscam descarbonização

Para Diogo Yousseff, diretor geral de engenharia e combustíveis da Azul Linhas Aéreas, a parceria com a Raízen é fundamental para a empresa alcançar as metas ESG traçadas para os próximos anos. Como os aviões ainda dependem de combustíveis fósseis para levantar voos — e da perda dessa massa ao longo do trajeto para pousar com mais segurança —, iniciativas como essa contribuem para uma maior conscientização.

“A Raízen é um parceiro muito importante para a Azul. Além de atender cerca de 70% do nosso combustível, é por meio dessa parceria que chegam iniciativas como a que vimos hoje ou que vão chegar iniciativas futuras”, diz Yousseff, citando ainda o programa de eficiência de combustível (PEC), que proporcionou economia de 134 mil toneladas de CO2 na atmosfera em 2022, com ações como modo de pilotagem, planejamento de rotas mais curtas e operações terrestres alternativas, como manutenção da energia da aeronave em funcionamento em solo sem uso de querosene, entre outras.

Ler o Anterior

Hyundai planeja investimento de US$ 28 bilhões em eletrificados

Ler o Próximo

Busca por seminovos elétricos no Brasil cresce 300% em um ano

Deixar uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Popular