Canal VE

25 de fevereiro de 2024

Nissan quer bateria mais barata para os mercados emergentes

Fachada da sede da Nissan no Japão

Nissan trabalha para reduzir custos de fabricação de veículos elétricos. Foto: Divulgação/Nissan.

A Nissan está planejando desenvolver sua própria bateria LFP (lítio-ferro-fosfato) para reduzir os custos e equipar os carros elétricos da marca para mercados emergentes. A ideia é ser mais independente na fabricação dos carros. A mudança permitiria uma economia de 20% a 30% em relação às baterias de íons de lítio convencionais NCM (níquel-cobalto-manganês), o que poderia se refletir na redução dos preços para o consumidor final e, consequentemente, no aumento das vendas.

De acordo com o jornal japonês Nikkei, atualmente, a Nissan está desenvolvendo baterias LFP principalmente em seu centro de pesquisa e desenvolvimento na cidade japonesa de Atsugi. A empresa está considerando fabricar a bateria internamente em sua fábrica de Yokohama e em outras instalações.

A marca japonesa se espelha na chinesa BYD, que atingiu níveis consideráveis de crescimento na produção e nas vendas ao desenvolver a grande maioria dos componentes de seus veículos, incluindo a bateria Blade, também LFP, que atualmente é considerada uma das melhores do mundo para veículos elétricos.

Em 2022, 27% dos novos veículos elétricos continham baterias LFP, de acordo com a Agência Internacional de Energia, um enorme salto em relação aos 3% de três anos antes. Os veículos fabricados na China utilizam 95% das baterias LFP fabricadas para VEs. Na China, os veículos elétricos com baterias LFP ultrapassaram os que utilizam NCM em 2021.

Nissan Ariya Nismo é visto em rodovia com paisagem de oceano ao fundo
Nissan Ariya Nismo é apresentado no Japão. Foto: Divulgação/Nissan.

Mercados emergentes

Segundo informações da publicação japonesa, a Nissan planeja vender 27 modelos eletrificados até 2030, incluindo veículos elétricos. O objetivo é comercializar baterias de estado sólido já no ano fiscal de 2028, mas uma série de questões permanecem em áreas como custo e durabilidade dessa nova tecnologia.

Por isso, o desenvolvimento das baterias LFP é dada como crucial para o futuro da empresa, que não quer perder mais terreno na comercialização de seus veículos. 

A expectativa é que as baterias LFP sejam usadas em veículos elétricos em 2026, em especial nos mercados emergentes, ou seja, nos países que possuem economias em desenvolvimento que estão se expandindo rapidamente e que desempenham um papel cada vez mais importante na economia mundial.

Assim, o Brasil pode receber novidades da marca japonesa em breve. Atualmente, o único carro elétrico da marca disponível por aqui é o Nissan Leaf, mas há planos para o lançamento do SUV Ariya em breve.

Ler o Anterior

Carro elétrico usado vale a pena? Leia isso antes de comprar um

Ler o Próximo

VEs lideram os investimentos em energia limpa no mundo em 2023

Deixar uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Popular