Canal VE

20 de julho de 2024

Carros movidos a energia solar participam de corrida de 3 mil km

Carro movido a energia solar acelera por pista de asfalto com o sol a pino

Corrida serve como desenvolvimento de veículos movidos a energia solar. Foto: Divulgação/JetCam.

Quando falamos de mobilidade elétrica e sustentabilidade, novas tecnologias são desenvolvidas para melhorar a performance dos veículos. Por isso, cada vez mais inovações são apresentadas ao público, em especial as energias renováveis.

Uma delas é a energia solar, que vem se tornando uma realidade comum nos telhados das casas brasileiras, mas que também é aproveitada em outros países para a mobilidade sustentável. 

Na Austrália, a energia solar é a principal fonte energética de uma competição tradicional que perdura há três décadas. 

Entre os dias 22 a 29 de outubro de 2023, pilotos de todo o planeta participarão da 36ª edição do World Solar Challenge: uma corrida de carros movidos a energia solar e que percorre uma rota de 3.000 km na Austrália, entre as cidades de Darwin e Adelaide. 

A primeira corrida oficial do evento foi realizada em 1987 e, desde então, equipes apoiadas por universidades investem no desenvolvimento de carros movidos a energia solar de ponta para descobrir quem é o melhor time. Na corrida, as diferentes equipes serão divididas em três classes distintas de veículos. 

Veículo tem painéis fotovoltaicos na lateral
Corrida conta com percurso de 3.000 km de distância. Foto: Divulgação/Sonnenwagen Aachen eV

Regras diferentes

Na Classe Challenger, os veículos são projetados para completar os 3.000 quilômetros da maneira mais eficiente possível. O vendedor é aquele que cruza a linha de chegada em Adelaide antes dos demais. Nesta categoria, os veículos podem ter no máximo 5 metros de comprimento por 2,2 metros de largura, com um painel solar acoplado de até quatro metros quadrados.

Na Classe Cruise, os veículos se concentram na praticidade, sendo julgados por uma série de fatores, como design e desempenho. Nesta modalidade, os pilotos também terão que completar três estágios de prova, de 1.200 km cada, e sem pausa para recarregar. Os veículos precisam ter as mesmas dimensões da Classe Challenger, com a diferença que o painel solar pode ser acoplado de até cinco metros quadrados.

Já a Classe Adventure está aberta a todos os conceitos. Ela permite que os veículos das edições anteriores do World Solar Challenge possam competir novamente.

Ler o Anterior

Veículo para tudo (V2X) pode acelerar a transição energética

Ler o Próximo

Mercado de veículos eletrificados têm primeiro trimestre histórico

Deixar uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais Popular